Menu

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Clique aqui para editar.

Tapete Vermelho para Diaspórica de Danielle Almeida

08 FEV 2018
08 de Fevereiro de 2018
A Tapete Vermelho acompanhou na noite dessa terça-feira, 6 de fevereiro, o espetáculo Diaspórica, no Sesc 24 de Maio.
O show traz uma seleção ímpar de músicas da América Latina Negra interpretadas por Danielle Almeida que, além de cantora, também faz um importate trabalho acadêmico como pesquisadora da cultura diaspórica africana pelo continente americano.
A diáspora africana é a dispersão da cultura e do povo de diversas tribos da África pelo mundo, sobretudo pelo tráfico escravo em meados do século XVI. Danielle escolhe para seu repertório obras populares de países como México, Peru, Cuba e Brasil para mostrar desde a chegada dos escravizados ao continente até o reconhecimento do negro como agente em sua própria história.
Com músicas em espanhol, italiano e português, o Diaspórica não obrigou a platéia a ser poliglota para entender sua mensagem: através da performance genial dos artistas era possível perceber que as músicas tratavam de temas quase atemporais na história negra: a ancestralidade e as famílias muitas vezes separadas, o preconceito, o genocídio, a busca por melhores condições de vida e a luta para existir.
Se em nossa Roda AFROfuturista tentamos traçar uma linha do tempo e perspectivas futuras, Danielle desenhou com ritmos e melodias o conceito de sobreviver e viver sendo uma mulher negra, se reconhecendo como tal e lutando por seu espaço.
Nesta terça, assim como Victoria Santa Cruz em seu poema "Me Gritaron Negra" (declamado musicalmente no palco), Danielle inspirou ao público da casa cheia que não há como retroceder, que há beleza em todos, que a libertação também vem de dentro e que NEGRA SOY.

Glória Santucci by Tapete Vermelho
Voltar